Enxerto Ósseo Dentário

Enxertos Ósseos

 

Após a perda do dente, o processo alveolar (parte do osso que prende os dentes) sofre reabsorção (perda óssea). Isso dificulta sobremaneira a instalação do implante dentário em uma posição tridimensional ideal, posição esta que é imprescindível para se conseguir uma estética adequada. Para resolver ou minimizar esse problema, devemos realizar um enxerto ósseo antes ou no mesmo momento cirúrgico da instalação do implante.

 

Defeito-ósseo

 

Os tipos de enxertos ósseos são basicamente 4:

– Enxerto autógeno (do próprio paciente) que pode ser retirado da mandíbula (por dentro da boca) ou do osso ílio (osso da bacia) neste caso é necessária a internação hospitalar. As vantagens de se utilizar o osso do próprio paciente são: O risco de infecção cruzada é zero e esse tipo de enxerto possui células vivas que auxiliam na cicatrização mais rápida (em torno de 4 meses). As desvantagens são: o procedimento cirúrgico é mais demorado e a quantidade é limitada.

 

Enxerto-ósseo-autógeno

 

– Enxerto homógeno (adquirido de doadores). As desvantagens são: o osso não é do próprio paciente e não possui células vivas (a cicatrização é mais demorada, leva em torno de 5 meses para cicatrizar). As vantagens são: não temos a limitação da quantidade e o procedimento cirúrgico é mais rápido, portanto, proporciona um desconforto menor para o paciente.

 

Enxerto ósseo homógeno

 

– Enxerto xenógeno (de animais). Na grande maioria das vezes, utilizamos osso bovino. Vantagem: quantidade ilimitada. Desvantagem: a cicatrização é mais lenta (nove meses)

 

Enxerto ósseo heterógeno

 

– Enxerto halógeno (sintético) que é feito em laboratório.

 

Enxerto ósseo xenógeno

 

avaliacoes-do-dr-josue-gomes-no-google


Perguntas feitas na internet sobre enxertos ósseos

 

1 – Bom Dia! Fiz um implante que infeccionou e precisou ser removido e com isto tive uma perda óssea muito grande, agora estou precisando fazer um implante em bloco e de tecido, isto está afetando meus outros dentes. É o dente da frente. Gostaria de ter mais informações sobre seu trabalho, não moro em São Paulo mas acredito que aí teria mais tecnologias para o meu problema.
Muito obrigada!

Regiao-onde-ocorreu-perda-ossea-e-que-precisa-de-enxerto-osseo

Josué Gomes: Bom dia. É um caso de difícil resolução mas dá para melhorar bastante em relação ao que está hoje. Não dá para prometer que vai ficar como era antes de você perder o dente.

Nossa que coisa! 😞

 

O que o senhor sugeri , para melhorar e quanto tempo eu precisaria ficar aí para o primeiro tratamento e para o restante?

Josué Gomes: O primeiro seria o enxerto ósseo. Idealmente você teria que ficar 14 dias.

 

Estou com uma provisória desde agosto de 2020 que está me incomodando muito, está caindo devido a perda óssea.

Josué Gomes: Entendo como é. Realmente não é uma situação agradável.

 

14 dias e os dois dentes do lado seriam removidos ou o que o senhor acha?

Josué Gomes: Teria que ver o RX e fazer o exame clínico.

 

14 dias eu teria uma prótese ou teria que voltar e esperar curar o enxerto ?

Josué Gomes: Você teria uma prótese provisória colada nos dentes dos lados porém, mais reforçada para aguentar vários meses.

 

O senhor tem o raio x 3 D ou teria que fazer em outra localidade?

Josué Gomes: No Brasil os consultórios não têm tomógrafos, teria que fazer em um centro de radiologia.

 

Depois do enxerto quantos dias para poder viajar ou isto é irrelevante?

Josué Gomes: Seria prudente aguardar pelo menos duas semanas.

 

E Quantas vezes preciso ir para finalizar tudo ?

Josué Gomes: 1 para o enxerto, 1 para o implante e 1 para a coroa de porcelana.

 

Entendo e tudo em um ano ou mais?
Josué Gomes: 9 meses para o enxerto, 3 meses para o implante e 14 dias para a coroa.

 

 

Dúvidas? Envie-nos uma mensagem pelo WhatsApp

Informações sobre enxertos ósseos para dentistas

 

Indicações para enxertos ósseos

  • Regiões onde a instalação tridimensional ideal do implante está comprometida
  • Região posterior de mandíbula onde existe pouca altura óssea para a instalação de implantes curtos ( a literatura mostra considerações importantes a favor da instalação de implantes curtos nesta região em comparação à reconstrução óssea e instalação de implantes convencionais)

 

Implantes-dentário-curtos

 

  • Região posterior de maxila onde ocorre a pneumatização do seio maxilar (após a perda dos dentes posteriores superiores, a pressão dos espaços aéreos da maxila, por onde o ar passa para ser aquecido, faz com que a espessura óssea, onde os dentes estava, diminua.

Iniciamos com o recorte da cortical vestibular (lâmina óssea da parte lateral do seio maxilar).

 

Enxerto ósseo dentro do seio maxilar

 

Enxerto-ósseo-dentro-do-seio-maxilar

 

Fraturamos a tábua óssea vestibular exercendo pressão cuidadosa sobre ela para o interior do seio maxilar.

Enxerto-ósseo-dentro-do-seio-maxilar

Enxerto-ósseo-dentro-do-seio-maxilar

Preenchemos o interior do seio maxilar com enxerto ósseo bovino ) Bio-Oss.

Enxerto-ósseo-dentro-do-seio-maxilar

Aguardamos 9 meses e instalamos os implantes

Enxerto-ósseo-dentro-do-seio-maxilar

Momento cirúrgico da realização do enxerto ósseo

  • Ele pode ser feito antes da instalação do implante ou simultaneamente.
  • Antes: Quando não há osso suficiente para a estabilidade primária e o defeito é de 4 paredes.
  • Simultaneamente: Quando há osso suficiente para a estabilidade primária e a parede palatina está preservada. Neste caso, utilizamos Bio-Oss e Bio-Gide para a reconstrução.

 

Ou realizamos a técnica Split Crest que consiste na abertura do osso para a instalação do implante no seu interior. neste caso completamos também com Bio-Oss.

Primeiramente realizamos as perfurações para a instalação dos implantes.

 

Técnica Split Crest de enxerto ósseo

 

Depois serramos o bloco ósseo com um disco de diamante e bastante irrigação com soro estéril para não superaquecer.

 

Técnica Split Crest de enxerto ósseo

 

 

Realizamos a fratura em galho verde (não removemos o bloco completamente, ele fica preso na base para maior estabilidade).

 

Técnica Split Crest de enxerto ósseo

 

Técnica Split Crest de enxerto ósseo

 

Inserimos o implante e o enxerto ósseo bovino (Bio-Oss) nos espaços.

 

Técnica Split Crest de enxerto ósseo

 

 Propriedades que um enxerto ósseo deve ter

    • Biocompatibilidade
    • Osteogenicidade: Capacidade de formação de tecido ósseo a partir do enxerto.
    • Osteoindutividade:  Capacidade de um tecido em induzir a diferenciação de células mesenquimais indiferenciadas em células envolvidas no metabolismo de tecido ósseo.
    • Osteocondutividade: Capacidade que um tecido tem de criar um arcabouço que sirva de proteção contra a invasão de tecidos moles beneficiando e dando o tempo necessário para que as células envolvidas no metabolismo ósseo ocupem a região e comecem o processo de formação da matriz desse tecido.
    • Facilitar a vascularização ou revascularização
    • Permitir a substituição por tecido ósseo nativo

 

Fatores que aumentam muito as chances de sucesso do enxerto ósseo

    • Estabilidade do enxerto. Esse cuidado deve ser observado tanto na ato cirúrgico, através da fixação do bloco com parafusos, da proteção do particulado com malha de titânio ou membrana de politetrafluoretileno reforçada com titânio, como no pós operatório, evitando que próteses móveis toquem a região.
    • Fechamento do retalho sem tensão. Deve-se, para isso, liberar bem os tecidos. Idealmente, devemos usar duas linhas de estabilização com a sutura, uma ancorando um pouco mais distante da borda (pode se usar a sutura tipo colchoeiro para isso) e uma fechando a borda. Observando esses cuidados, o risco de exposição diminui sobremaneira. A exposição do pode ser catastrófica para alguns tipos de enxertos como o alógeno, por exemplo.
    • Uso de antibióticos
    • Bochecho com gluconato de clorexidina
    • Proibição do tabagismo

 

Vantagens e desvantagens de cada tipo de enxerto ósseo

  • Autógeno: Osteogênico, osteoindutor, osteocondutor, risco de infecção cruzada zero, quantidade limitada e difícil obtenção.
  • Homógeno: Osteocondutor, risco de infecção cruzada baixo, quantidade ilimitada e fácil obtenção.
  • Heterógeno: Osteocondutor, risco de infecção cruzada baixo,  quantidade ilimitada e fácil obtenção.

 

 

Artigos científicos sobre enxertos ósseos

Intervenções psicológicas nos períodos pré e pós operatório com pacientes submetidos a cirurgia de enxerto ósseo

Tratamento de defeito ósseo perene em calvária de cobaia com membrana de cortical óssea bovina liofilizada associada ou não a enxerto ósseo bovino desmineralizado

 

 

Aumento ósseo vertical (Minha tese de mestrado)

 

Comentários no Facebook

Siga-nos no Instagram

Open chat