O enxaguante bucal que pode salvar vidas

Detox-pro-o-enxaguante-bucal-que-inativa-coronavirus

O enxaguante bucal que pode salvar vidas

Os modos de transmissão do SARS-CoV-2 são transmissões diretas, pessoa a pessoa, através de espirros, tosse, transmissão por inalação de pequenas gotículas e transmissão por contato, como contato com as mucosas nasais, orais e oculares.

Portanto, a cavidade oral está diretamente associada ao processo evolutivo do SARS-CoV-2 na inalação de partículas ambientais no ar e nas expectorações, isto porque pode também ser transmitido pela saliva (CARROUEL, 2020; KAI-WANG-TO, 2020; ZHANG, 2020).

A cavidade bucal pode ser considerada a porta de entrada e o ponto inicial da infecção provocada pelo SARS-CoV-2. Isto porque em sua forma anatômica, semelhante a uma coroa, o SARS-CoV-2 apresenta proteínas que permitem sua adesão a receptores específicos da célula hospedeira (MENG et al., 2020).

O receptor mais comum envolvido nesta relação é a Enzima Conversora de Angiotensina 2 (ECA-2) que está presente em altas concentrações nos pulmões, células miocárdicas e renais, assim como na mucosa oral, especialmente, na língua e glândulas salivares, sendo esta última identificada como reservatório de vírus (XU et al., 2020; YAN et al., 2020).

Sabendo desta interação, entender que a carga viral tem sido apontada como um importante biomarcador para a severidade da doença COVID-19, mostrando carga viral média nos casos graves cerca de 60 vezes maior que os casos leves ( LIU et al., 2020) e sendo correlacionada com o risco de intubação e mortalidade hospitalar (MAGLEBY et al., 2020) evidencia o quanto intervenções para diminuição dela, em naso e orofaringe, podem ser efetivas, principalmente, nos estágios iniciais da doença.

O bochecho e gargarejo e/ou a irrigação nasal podem erradicar completamente partículas virais nessas vias respiratórias, podendo impedir a sua transmissão ou reduzir a carga viral a que o indivíduo está exposto (BURTON et al. 2020, Meister et al 2020).

O antisséptico bucal e vários outros líquidos comumente utilizados para gargarejar podem ser antimicrobianos. O gargarejo pode ajudar a prevenir e tratar infecções respiratórias nos tratos superiores e inferiores (NAGATAKE, 2002).

Enxaguatórios tecnológicos disponíveis no mercado com ação antimicrobiana, podem ter ação antiviral
(CARROUEL, 2020). Neste sentido, Meister et al (2020) demostraram em laboratório a capacidade de alguns antissépticos no combate ao SARS-CoV-2. Infelizmente algumas das tecnologias já testadas não apresentaram efeito contra o novo vírus em ensaios clínicos (Gottsauner et al 2020, Peng, X et al 2020).

Com base no exposto, a Dentalclean tem o objetivo de informar sobre os últimos avanços científicos sobre uma nova linha de produtos antivirais para saúde bucal, o DETOX PRO / PHTALOX®.
Dentalclean

DETOX PRO / PHTALOX®
PHTALOX® é um derivado de ftalocianina que promove uma autoativação e produção contínua de oxigênio reativo na presença de oxigênio molecular. Esta tecnologia foi aplicada a um antisséptico bucal e demostrou efeito
antimicrobiano, regeneração de tecidos moles, diminui o sangramento gengival, dentre outros conforme (SANTOS et
al. 2020, TEODORO et al. 2020).

A tecnologia já é aprovada pela ANVISA sendo que, em tempos de pandemia devido ao COVID-19, o resultado mais marcante foi a comprovação de atividade virucida ( Anexo 4 e 5). Assim, esforços foram combinados por nosso time de pesquisa para a realização de diversos ensaios multicêntricos. A comprovação clínica por meio dos resultados até então encontrados são bastante animadores. O uso do novo DETOX PRO / PHTALOX® foi capaz de inativar completamente o vírus na saliva de paciente COVID-19 positivos após o uso do produto. E ainda, estudos em fase de publicação, demostraram que pacientes COVID-19 positivos tiveram uma rápida recuperação dos sintomas como dor de garganta, tosse e úlceras bucais, tornando-se assintomático em alguns dias.

Outros estudos que também estão em fase de publicação, estudos in vivo, aprovados por Comitês de Ética em Pesquisa, foram iniciados em pacientes infectados pelo SARS-CoV-2 em unidades hospitalares e já sugerem a potencialidade desta antisséptico bucal de forma complementar aos medicamentos receitados pelo médico diante da COVID-19. O resultado mais impactante foi o tempo de internação 60% menor para os pacientes que fizeram o uso do DETOX PRO / PHTALOX®, sem nenhum óbito.

Pesquisas em Desenvolvimento

Um grande grupo de pesquisadores está conduzindo estudos multicêntricos para ampliar o conhecimento sobre o
impacto do DETOX PRO / PHTALOX® frente a pandemia. A seguir os centros e os respectivos estudos:

Centro de Pesquisa – Departamento de Farmácia/Imunologia e Hospital Universitário da Universidade Estadual de
Londrina

Este centro de pesquisa está conduzindo 2 estudos. O primeiro trata-se de pesquisa que irá acompanhar os casos de
Covid-19 nos profissionais de saúde do Hospital Universitário cidade de Londrina (PR). O objetivo desta fase de estudo é entender se a pessoa teve contato com o vírus, mas não desenvolveu os sintomas e teve resposta imunológica positiva com o uso do DETOX PRO.
Em outra pesquisa também nas dependências do Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina está
sendo avaliado a eficácia do antisséptico bucal DETOX PRO em pacientes COVID-19 positivos nos parâmetros clínicos e na carga viral.

Instituto Federal do Paraná

Neste centro de pesquisa, também estão sendo conduzidos dois estudos: epidemiológico com 500 pessoas – com uso
do produto ativo (antisséptico bucal e Gel Dental DETOX PRO) e com placebo, avaliando como será a evolução da
doença em 14 dias. Também está sendo verificado a capacidade do Gel Dental DETOX PRO em inativar amostras de
vírus na boca.

Também estão sendo conduzidos mais 2 pesquisas:

Um estudo epidemiológico com todos os habitantes de um município do interior de São Paulo, em parceria com a
Secretaria da Saúde e Faculdade de Odontologia de Bauru. Os moradores receberão dois lotes de produtos, para uso
por 60 dias. A pesquisa pretende entender como vai desenvolver a doença na cidade neste período.
Em outro estudo profissionais de saúde do Hospital Estadual de Bauru serão monitorados por 60 dias após o início do uso do DETOX PRO. O objetivo desta fase de estudo é entender se a pessoa teve contato com o vírus, mas não
desenvolveu os sintomas e teve resposta imunológica positiva com o uso do DETOX PRO.

Conclusão

Uma vez que o mundo assiste à escalada incontrolável de novos casos atingindo a Europa, América, e outros países,
urge por disponibilizar tecnologias antivirais de fácil acesso a humanidade. Nesse sentido, com base nos estudos
científicos produzidos até o momento, temos a certeza de que DETOX PRO / PHTALOX® é um sinal de esperança em um mundo tão doente, e que definitivamente pode ajudar no combate a esta pandemia.

Prof. Dr. Fabiano Vieira Vilhena
Sanitarista e Doutor em Biologia Oral
Pesquisador Responsável
CROSP – 59117

Emerson

Responsável Técnico Dentalclean
Químico industrial
CRQ IX – 09203604

Referências Bibliográficas

CARROUEL, F. et al., Nanoparticles as Anti-Microbial, Anti-Inflammatory, and Remineralizing Agents in Oral Care
Cosmetics: A Review of the Current Situation. Nanomaterials, Basel, 2020, v.10, n. 1, p.1-32, Jan. 2020.
KAI-WANG TO, K ET AL. Temporal profiles of viral load in posterior oropharyngeal saliva samples and serum antibody
responses during infection by SARS-CoV-2: an observational cohort study. Lancet Infect Dis., New York, v.20, n.5,
p.565-574, Mai. 2020.
ZHANG, L.; LIU, Y. Potential interventions for novel coronavírus in China: A systematic review. J. Med. Virol., New York,
v. 92, n. 5, p. 479–490, Mai. 2020.
MENG, L.; HUA, F.; BIAN, Z. Coronavirus disease 2019 (COVID- 19): emerging and future challenges for dental and oral
medicine. J Dent Res., Chicago, v. 99, n. 5, p. 481-487, Mai. 2020.
XU, H. et al. High expression of ACE2 receptor of 2019-nCoV on the epithelial cells of oral mucosa. Int J Oral Sci.,
Chengdu, v. 12, n. 1, p. 8, Fev. 2020.
YAN, R. et al. Structural basis for the recognition of SARS-CoV-2 by full-length human ACE2. Science, New York, v. 367,
n. 6485, p. 1444–1448, Mar. 2020.
LIU, Y. et al. Viral dynamics in mild and severe cases of COVID-19. Lancet Infect Dis. New York. v. 20, n. 6, p. 656 – 657.
Jun. 2020.
MAGLEBY, R. et al. Impact of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 Viral Load on Risk of Intubation and
Mortality Among Hospitalized Patients with Coronavirus Disease 2019. Clin Infect Dis. Chicago. Jun. 2020.
https://doi.org/10.1093/cid/ciaa851
BURTON, M. J. et al. Use of antimicrobial mouthwashes (gargling) and nasal sprays by healthcare workers to protect
them when treating patients with suspected or confirmed COVID-19 infection (Protocol). Cochrane database syst rev.
Oxford, Issue 5. Art. No.: CD013626, 2020.
NAGATAKE, T, AHMED, K.; OISHI, K. Prevention of Respiratory Infections by Povidone-Iodine Gargle. Dermatology,
Basel,v. 204(suppl 1):p.32–36, 2002.
Peng, X.; Xu, X.; Li, Y.; Cheng, L.; Zhou, X.; Ren, B. Transmission routes of 2019-nCoV and controls in dental practice.
Int. J. Oral Sci. 2020, 12, 9.

SANTOS, C. et al. Antibiofilm Action of PHTALOX®-containing Oral Care Formulations, J Dent Res 99(Spec Iss A):
abstract number, 3326, 2020 IADR/AADR/CADR General Session (Washington, D.C., USA).
TEODORO, G. et al. PHTALOX® AntimicrobialActionandCytotoxicity: in vitro Study, J Dent Res 99(SpecIss A): abstract
number, 0839, 2020 IADR/AADR/CADR General Session (Washington, D.C., USA).

Documento confidencial de uso exclusivo da Dentalclean, proibido sua divulgação sem prévia autorização.
Av. Dez de Dezembro, 6770 – Lago Igapó, Londrina – PR – 86046-050 – Brasil
dentalclean.com.br
DONNELLY, R. F.; MCCARRON, P. A.; TUNNEY, M. M. Antifungal photodynamic therapy. Microbiol. Res., Jena, v. 163,
n. 1, p. 1–12. 2008.
KORNEEV, D. et al. Ultrastructural Aspects of Photodynamic Inactivation of Highly Pathogenic Avian H5N8 Influenza
Virus. Viruses, Basel, v. 11, n. 10, p. 955, Out. 2019.
GOMER, C. J. Preclinical examination of first and second generation photosensitizer used in photodynamic therapy.
Photochem Photobiol., Augusta, v.54, n.6, p.1093- 1107, Dez. 1991.
MARQUES, A. D. S. et al. The species of 8-methoxy-psoralen in hydrophobic and hydrophilic environments and its
solubilization in neutral and charged micelles. J. Luminesc. v.97, p.237-249, 2002.
Gottsauner MJ, Michaelides I, Schmidt B, Scholz KJ, Buchalla W, Widbiller M, et al. A
prospective clinical pilot study on the effects of a hydrogen peroxide mouthrinse on
the intraoral viral load of SARS-CoV-2. Clin Oral Invest. 2020;24:3707–3713.

 

Veja mais pesquisas:

https://material.dentalclean.com.br/detox-pro

Compartilhar:

Comentários no Facebook