Profilaxia antibiótica em procedimentos odontológicos

Antibióticos em odontologia

Profilaxia antibiótica em procedimentos odontológicos

A profilaxia antibiótica é realizada em pacientes que não apresentam infecções mas são suscetíveis a contaminação por bactérias. O uso dos antibióticos pode ser feito para prevenir infecções na região onde são realizados os procedimentos ou para prevenir infecções sistêmicas.

 

Condições sistêmicas que requerem o uso de profilaxia antibiótica:

  • Próteses de válvulas cardíacas;
  • Endocardite bacteriana prévia;
  • Disfunção valvular adquirida;
  • Prolapso da válvula mitral com regurgitação;
  • Cardiomiopatia hipertrófica;
  • Cardiopatias congênitas;
  • Outras más formações cardíacas congênitas;
  • Desvio pulmonar sistêmico (cirúrgico);
  • Diabetes tipos I ou II descompensada;
  • HIV descompensado;
  • Portadores de próteses ortopédicas com subnutrição, hemofilia ou imunocomprometimento.

 

Condições sistêmicas que não requerem o uso de profilaxia antibiótica:

  • Cirurgia de revascularização coronária;
  • Prolapso da válvula mitral sem regurgitação
  • Sopro cardíaco leve, fisiológico ou funcional,
  • Defeito no septo atrial;
  • Febre reumática sem disfunção;
  • Hipertensão arterial;
  • Marcapasso cardíaco e desfibrilador implantado;
  • Diabetes tipo I ou II compensada;
  • HIV compensado.

 

Procedimentos odontológicos que requerem profilaxia antibiótica:

  • Extração Dentária;
  • Procedimentos periodontais (cirurgia, raspagem)
  • Colocação de implantes;
  • Colocação de bandas ortodônticas;
  • Instrumentação e cirurgia endodôntica;
  • Enxertos de gengiva ou de osso.

 

Procedimentos que não requerem a profilaxia antibiótica:

  • Restaurações;
  • Colocação de aparelho ortodôntico ou próteses removíveis;
  • Tratamento endodôntico pós-instrumentação;
  • Colocação de dique de borracha;
  • Moldagem;
  • Aplicação de flúor;
  • Radiografia;
  • Remoção de sutura.
Compartilhar:

Comentários no Facebook